Manteiga caseira com salicórnia







Lembro-me de há uns anos atrás ver num programa do Jamie Oliver em que dizia, se baterem as natas em demasiado, não mandem fora, façam manteiga!

Desde então isto não me saiu da cabeça, confesso que de uma maneira geral vivo bem sem manteiga, consigo substituir pelo azeite na comida e até nas torradas de manhã como os espanhóis. Mas não por muito tempo, porque me sabe sempre tão bem comer um pão com manteiga como quando era criança. Depois há coisas que só sabem bem se for com manteiga, como a maior parte dos bolos e os risottos, que sem manteiga, nem me sabem bem a risotto.

Já algum tempo que andava a pensar em fazer manteiga caseira, o Youtube ajudou, está repleto de vídeos a explicar o passo-a-passo. A salicórnia (ainda não tinha provado) que gentilmente me foi enviada pela Riafresh foi o que me fez dar o passo em frente.

No entanto tive um pequeno percalço na primeira tentativa, as natas que usei não estavam demasiado frescas, o que fez com que não atingissem a consistência desejada. Mas à segunda, usei natas frescas e coloquei-as no congelador durante 1 hora, basicamente é o mesmo processo que faço para fazer chantili caseiro, não sei o que me deu na primeira tentativa!

Gostei bastante do resultado, acabou por ser super rápida de confecionar e ficou bastante cremosa, quanto à salicórnica, adorei! Dá um crocante maravilhoso à manteiga e fica bem salgadinha, porque eu sou daquelas que não consegue comer manteiga sem sal. No sul de França há uma manteiga maravilhosa com lascas de sal marinho, que ao passar a faca saltam farripas de sal, uma pequena maravilha.

E pronto, esta foi a minha primeira experiência que é sempre um prazer partilhar convosco, se tiverem dicas para futuras combinações digam, que eu agora vou virar uma manteigueira de certeza.

Nota:
O saco para coar a manteiga comprei na loja da Joana do Le passe vitte, é próprio para fazer leites vegetais (coisa que faço com alguma regularidade aos fins de semana), mas pronto, desta vez pequei um bocadinho, desculpa Joana! Já sabes que para mim o saudável é q.b. :D





.  Receita para 125g de manteiga . 

Ingredientes:
400ml de natas (bem frescas)
35g de salicórnia Riafresh 
água fria q.b.

Numa batedeira com a vara de arames, coloque as natas e deixe bater na velocidade média até passar do ponto "em castelo". Continue a bater até obter uma textura espessa e separada de um líquido (soro). 



Retire a manteiga e passe-a num coador fino ou um saco de tecido próprio para coar como o da imagem, extraia o soro e volte a colocar a manteiga na batedeira. Com as mãos envolva a salicórnia partida em pedaços bem pequenos e desta vez com com a vara de bater bolos ainda na velocidade média adicione água fria a fio, suficiente para "lavar" a manteiga e volte a fazer o mesmo processo - retire da batedeira, passe pelo saco,  retire o soro, coloque na batedeira e adicione a água bem fria em fio, até o soro sair limpinho"sujo". Faça este processo quantas vezes for necessário (só fiz duas vezes) porque é muito importante e é o que faz com que a manteiga dure mais tempo. 

Embrulhe a manteiga num papel vegetal ou coloque num tupperware com base de vidro no frigorifico. 

Não consigo dizer ao certo quanto tempo dura no frigorifico, porque foi a primeira vez que fiz manteiga, como oferececi à família, o que ficou em casa acabei por consumir num instante.

Mas em breve farei mais e partilho por aqui.





Barras de sementes

Um bom ano para todos que me seguem por aqui! 

Que ano maravilhoso foi este que passou, o meu pequenino que no ano passado por esta altura fazia um mês, agora já anda e já vai dizendo algumas palavras e é um amor de menino! De facto isto da maternidade torna tudo virado do avesso, principalmente a casa, mas é tão bom receber um novo ano com todas estas descobertas e alegrias que uma criança nos dá.

Lamechiches à parte, gosto sempre de começar o ano por aqui com uma receita saudável. É bom voltar à rotina até na parte da alimentação. Sim, porque estas alturas são sempre uma verdadeira desgraça. Hoje trago uma receita do livro da Joana Limão que é a autora do Lemonaid. Quem a segue no snapchat sabe muito bem que ela incentiva qualquer um a comer bem, até já me "meteu" nos sumos verdes, vejam lá! Fora de brincadeiras se querem ter um estilo de vida saudável podem seguir esta menina que ela dá sempre dicas maravilhosas. 

Estas barritas são uma delicia, eu tenho sempre muita dificuldade em manter uma alimentação saudável fora das refeições, só penso em folhados, pão e bolachas... Acho que estas barras ajudam muito a manter-me longe desses pensamentos cheios de calorias, já as fiz umas três vezes e não podia deixar de partilhar convosco um sucesso destes. Outras das coisas que faço quase todas as semanas é a granola express da Joana, é muito boa mesmo e super rápida. As barras originais que estão no livro são de chocolate, mas como eu não sou grande apreciadora deixei-as simples.

Resta desejar-vos um 2017 cheio de saúde e muita alegria. Eu vou tentar estar por aqui com as minhas receitas e muita lamechiche.




.  Receita rende 12 a 14 unidades . 

Ingredientes:
10 tâmaras, sem caroço
1/4 de chávena de mel
1/4 de chávena de água
2 chávenas de flocos de aveia
1/2 chávena de amêndoas inteiras
1/2 de chávena de sementes de girassol
1/4 de chávena de sementes de abóbora
1 pitada de sal marinho

Demolhe as tâmaras durante 30 minutos.

Pré-aqueça o forno a 170 ºC.

Num processador de alimentos, triture as tâmaras até formarem uma pasta e junte-lhes o mel e a água.

Adicione a aveia, as amêndoas e as sementes, envolva mais um pouco até obter uma mistura homogénea.

Espalhe esta mistura numa forma forrada com papel vegetal, espalmando bem para que fique uniforme.

Leve ao forno durante 40 minutos, retire da forma e leve novamente ao forno (só com o papel vegetal) por mais 15 minutos ou até a superfície ficar dourada uniformemente.

Deixe arrefecer e, com uma faca de serrilha, corte em formas de barrinhas.

Cobertura: 
(Eu não fiz esta parte porque não sou apreciadora de chocolate).

Derreta o chocolate, com a ajuda de um garfo ou de uma colher, salpique, em ziguezague, as barrinhas.

Para as conservar, guarde-as num recipiente hermético.






Bacalhau dourado (com batata doce e leite de coco)


Natal, esta quadra que odeio de tanto adorar...

Acho que já expliquei por aqui várias vezes o que sinto pelo Natal. Adoro porque é uma quadra bonita e alegre. Gosto muito da noite da consoada em família e de todo o encanto que essa noite tem para as crianças. No entanto odeio o consumismo, a confusão nas ruas, o ambiente dos centros comerciais, as lojas com decorações natalícias já expostas desde outubro, tão ridículo! Todas essas coisas que não existiam ou que eu não as conseguia "sentir" em criança. 

Outras das coisas que me mete um bocado confusão é o desperdício de comida. Ora imaginemos que somos 10 pessoas a jantar na noite da consoada, porquê fazer comida para 20, ou então, ter 4 sobremesas diferentes se num jantar normal só há duas? E depois ainda há as filhoses, os chocolates e mais outras mil tentações para roer até à meia noite! Não percebo, mas entro no jogo e acabo por ainda fazer mais uma pavlova para ajudar à festa. Se fosse eu a mandar, na noite da consoada continuávamos a comer o bacalhau ou o polvo e no dia 25 fazíamos algo original com os restos e comíamos todos contentinhos.... Mas não! No dia 25 de dezembro alguém ditou em tempos que tem de ser carne e pronto! Esta é a minha frustração, nota-se muito?

Na casa dos meus pais chegamos muitas vezes a fazer pataniscas ou a chamada roupa velha com as sobras do bacalhau da consoada. Mas agora com as diferentes famílias a ir visitar quase sempre em casas diferentes, as coisas já não são assim e noto cada vez mais um grande desperdício de comida nesta quadra.


A receita que trago hoje pode ser feita na noite da consoada para quem quiser algo mais exótico e não gostar de bacalhau cozido. Mas também pode ser servida no dia de Natal para quem quiser aproveitar as sobras do bacalhau do dia anterior.

Um feliz Natal para todos vocês com muita alegria e pouco desperdício de comida, porque para a semana que volta a loucura atrás do marisco. 


Receita para 6 pessoas . 

Ingredientes: 
500 g de bacalhau cozido e desfiado 
1 quilo de batata-doce 
2 colheres de sopa de azeite 
1 cebola roxa 
4 dentes de alho 
1/2 molho de coentros 
3 colheres de sopa de pão (da véspera) ralado 
1 colher de sopa de curcuma em raiz (pode usar açafrão em pó ou filamentos
300 ml de leite de coco 
200 ml de leite de vaca 
40 g de farinha 
40 g de manteiga 
Sal, pimenta e noz-moscada 

Comece por desfiar o bacalhau, retirando todas as espinhas e peles, e reserve. 

Numa picadora adicione um dente de alho pequeno, 2 colheres de sopa de coentros frescos e duas fatias de pão de centeio ou broa de milho do dia anterior. Pique tudo na velocidade mais alta durante 3 segundos e reserve. 

Numa panela com água coza a batata-doce, temperada com sal e um fio de azeite. 

Depois de cozida, escorra e reserve. 

Numa wok, adicione o azeite, pique a cebola, os 3 dentes de alho e deixe saltear até a cebola ficar translúcida e caramelizar um pouco. Junte a batata-doce previamente cozida e envolta. Com ajuda de um garfo ou uma colher própria para esmagar batata, esmague grosseiramente. Caso goste de puré muito bem esmagado leve a um robot de cozinha uns segundos. Tempere com sal, pimenta e noz-moscada. 

Fora do lume, junte o bacalhau, os coentros frescos picados e envolva muito bem ao preparado anterior. Verifique os temperos e reserve. 

Preaqueça o forno a 200º. 

Leve uma caçarola pequena ao lume com o leite de coco, o leite de vaca, o açafrão e a manteiga. Deixe levantar fervura em lume médio e de seguida tempere com sal, pimenta e noz-moscada. Baixe o lume e adicione a farinha pouco a pouco sem deixar de mexer (vara de arames) até que o molho comece a engrossar. 

Regue o molho ao preparado do bacalhau e da batata doceenvolva e transporte para uma panela baixa ou travessa própria de ir ao forno. 

Polvilhe com o pão ralado e leve ao forno durante 10/15 minutos ou até o pão estar bem torrado e dourado. 

Acompanhe com uma salada a gosto. 

Nota: Pode fazer esta receita com bacalhau seco. Deixe o bacalhau em água pelo menos durante 12 horas, para extrair o sal. Escorra-o bem, retire as espinhas e peles, e leve ao lume na wok uns minutos depois da batata doce estar esmagada, para ganhar o sabor.


Pasta de legumes (1 pot)

Já conhecem esta técnica de confeccionar massa? Eu já tinha visto muito pelos blogs, mas foi ao ler este livro nas férias que fiquei a perceber um pouco mais sobre o assunto e deixou-me rendida. Para além de mais saudável, rápida e prática de confeccionar - já sabem que é esse o meu lema ultimamente - Li no livro que era uma óptima solução para os todos cá por casa, inclusive o mais novo. Já alguns meses que o meu filho andava a comer um pouco da nossa comida para se habituar à mastigação e aos novos sabores, agora com um ano já pode comer de tudo e esta técnica é maravilhosa para os nossos jantares. Ele adora comer tudo o que faço, talvez por ser novidade e não tão aborrecido como a sopa passada, ou será uma fase como muitas mães dizem (a minha diz que ele vai ser um menino de bom alimento e eu acredito), mas adoro vê-lo descobrir com as suas pequenas mãos as texturas de cada alimento, já o resultado final do chão da cozinha, não acho tanta graça, mas faz parte.

Se tiverem curiosidade, deixo aqui uma receita com o que tinha em casa, tal como a autora do livro diz as combinações são infinitas. Quanto à quantidade da água já é mais complexo dar uma medida certa, porque difere muito dos ingredientes que colocam, aconselho a colocar pouco a pouco, para não acabarem com uma sopa de massa como me aconteceu da primeira vez :)

Boa semana!


. Receita 4 pessoas .

Ingredientes::
1 colher de sopa de azeite extra virgem
1 cebolinha
1 courgette amarela com casca
1 tomate grande
125 g de cogumelos portobello
250 de massa (usei massa fusilli lunghi)
1 colher de sopa de pasta de tomate
Funcho fresco q.b.
Sal, Pimenta e mostarda de moer
1/2 colher de sopa de paprika fumada
Parmesão q.b.

Comece por preparar todos os ingredientes a utilizar na receita. Escolha uma panela larga, onde consiga colocar todos os ingredientes na perfeição. 

De seguida, aqueça água num jarro eléctrico e comece por colocar os ingredientes um a um na panela, sem ordem de preferência. Eu comecei por adicionar a curgete cortada em fatias não muito finas (uns 8mm), os cogumelos e o tomate laminados mais ou menos da mesma espessura, a cebolinha e o funcho em pedaços pequenos e a massa inteira. Regue com um fio de azeite e tempere com sal pimenta e a paprika. 

Adicione a água previamente fervida conselho - não coloque logo demasiada água, senão a massa ficará demasiada aguada no final - é preferível ir colocando à medida em que a massa fica demasiado seca.

Leve a lume médio e deixe cozinhar, mexa sempre que achar que é necessário, verifique o tempero e quando notar que a massa está cozida desligue e sirva com um pouco de queijo parmesão.





Brownies de maçã



Juro que não percebo como é que este ano passou tão rápido, sei que parece cliché dizer isto mas não dei pelo tempo passar. O ano passado neste mesmo dia estava eu super ansiosa a preparar-me para esse grande passo que é a maternidade. O mês de dezembro foi vivido tão intensamente e focada no bebé que nem me lembro bem do natal.

Os primeiros 6 meses passei-os em casa, a ser mãe a tempo inteiro, confesso que foi dos melhores tempos da minha vida, nunca pensei divertir-me tanto com uma criança tão pequena, nem imaginam o que rimos juntos e as sessões fotográficas que eu lhe fiz, pobre coitado!

Depois voltei ao trabalho e tudo mudou, a falta de tempo para o blogue notou-se, os fins de semana passam a correr. Mas depois há outras coisas tão boas que vieram e que me fazem sentir muito mais preenchida enquanto pessoa.

Entretanto e só assim de repente passou um ano e voltamos a estar perto do natal. Este ano vai ser tão mais divertido, especialmente conseguir manter a arvore de natal de pé até ao dia 25 de dezembro, mas pronto… é só para avisar que por aqui continuo apaixonada pela maternidade, nota-se não nota?

Deixo-vos uma sugestão doce, com mais um utensílio da Le creuset a ter em casa.

Até para a semana com menos lamechices prometo, mas hoje tinha de ser ... o meu menino faz um ano, FIESSSSSSTA!!!!!





. Receita para 16 brownies .

Ingredientes:
200g de açúcar mascavado
30g de cacau em pó
¼ colher de chá de sal
½ colher de chá de extracto de baunilha
2 ovos grandes
70g de farinha de trigo
2 maçã de bravo esmolfe
140g de margarina liquida Vaqueiro

Pré-aqueça o forno a 160°.

Unte com margarina uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando um pouquinho para fora da forma, formando “alças” de 5cm. Unte o papel com vegetal, mas não as “alças”. Reserve.

Caso use uma forma igual à minha ignore o ponto das "alças"

Coloque a manteiga em uma tigela média e leve em banho-maria até derreter. Acrescente o açúcar e o sal e misture bem. De seguida, acrescente o cacau em pó e misture até obter uma massa homogénea e quente. Retire a tigela do banho-maria e deixe arrefecer.

Adicione a baunilha e misture com uma espátula de silicone. Acrescente os ovos, uma um, mexendo vigorosamente a cada adição – quando a massa estiver espessa, brilhante e homogénea, junte a farinha e misture tudo muito bem. Acrescente as maçãs e espalhe a massa uniformemente na forma preparada.

Coloque no forno por 20-25 minutos ou até que o palito mergulhado no centro do brownie saia húmido com um pouquinho de massa. Deixe arrefecer completamente sobre uma grelha.

Retire o brownie da grelha e corte em quadradinhos (16 ou 25).

Sirva com um chá ou se for para sobremesa, com uma bola de gelado.